terça-feira, 7 de maio de 2013

Video Gurú: Adobe surpreende e anuncia que não vai mais vender software novo!


Os amigos sempre antenados do Blog Video Guru noticiam a bomba da semana. Clique aqui e leia a íntegra do post no blog dos parceiros. Em resumo, a decisão da Adobe foi de a partir da Suíte CS6, que foi a última vendida na forma de um produto box físico, somente comercializar versões que serão online, ou na nuvem. Não haverá, portanto uma Suite CS7, a nova versão da atual CS6, que será lançada em junho, terá as iniciais CC no nome. Portanto um Adobe Premiere CC, Photoshop CC e assim por diante.

Para usar os aplicativos, o cliente terá que comprar uma licença mensal ou anual com fidelidade e preço mais em conta. Para o Brasil, isso significará um gasto de cerca de 
R$ 1.200,00/ano  para ter direito a usar todos os programas e atualizações automáticas da Creative Cloud. Em minha opinião, pode ser um grande tiro no pé. O valor, para o mundo dolarizado, é barato e não vai assustar a todos os usuários. Mas para mercados emergentes, como o Brasil, onde o dólar vale o dobro do real, a medida vai ser bastante impopular e restritiva. 

A realidade do mercado brasileiro é bastante diversa da de outros países desenvolvidos. Na verdade estamos passando uma profunda crise de valores, identidade e financeira no nosso segmento. A maioria das pequenas produtoras, que são milhares espalhadas no interior do Brasil e mesmo em capitais e cidades mais populosas, faz do casamento ao programa local de variedades para a repetidora ou coligada local. Usam equipamentos baratos, muitas vezes amadores. Não há dinheiro para investir em nada que tenha custo unitário médio acima de R$ 3.000,00. Muitas dessas produtoras aindam usam softwares como o Pinnacle Studio ou Vegas. A principal alegação é o preço e em seguida a facilidade de uso.

Os que se aventuram pelo Premiere, muitas vezes ainda usam versões com mais de 4 anos, como o o CS3 ou 4. E muitos usam as versões irregulares. Vejo pelo meu blog, o nível de dificuldade que esses pequenos produtores tem quanto a configuração de máquinas e uso da Suite Adobe. Por outro lado, as grandes produtoras estão divididas entre a AVID, a Apple e a Adobe em menor presença. Sendo assim, acho que os concorrentes da Adobe vão aproveitar para se firma no vácuo que ser;a deixado. Como vocês bem salientaram no artigo, existem muitos usuários que não querem e nem precisam trocar de versão todo ano.

Em experiência montando workstations PC para EDL, acho que equipamento para edição não deve estar conectado a redes externas ou internet. Funcionam muito melhor como sistemas fechados. Leva-se muitos dias para afinar um conjunto sistema operacional/softwares e eu temo que atualizações constantes ou mesmo um erro como a recente liberação de uma atualização de segurança da Microsoft, que nocauteou milhares de máquinas no Brasil possam ocorrer com o cloud da Adobe. Imagine uma atualização automática e obrigatória (validação mensal) liberada acidentalmente com erro? E nossas ilhas travadas ou irremediavelmente nocauteadas a ponto de necessitar uma instalação do zero, justamente no dia da entrega de um job crítico? Quero nem pensar.

Grande abraço ao amigos do Video Gurú e a meus leitores. Não deixem de ler a matéria na integra no site parceiro. 

Marcelo Ruiz