sábado, 13 de maio de 2017

Curiosidade: a história das breadboards...

Na fotomontagem, acima à esquerda, primeiro protótipo de adaptador de áudio para câmeras DSLR que estou desenvolvendo. À direita, amplificador valvulado moderno montado à moda antiga em uma tábua de pão. Abaixo, protoboard moderna de plástico. Fonte: Google/Marcelo Ruiz.

Nesses tempos de computação gráfica, CAD e CAM e simulação de quase tudo usando computadores, é bom relembrar como a eletrônica e também os computadores pessoais se desenvolveram. Já faz mais de um século que essa história começou. Você sabe o que é uma breadboard? Na verdade hoje elas são chamadas de protoboards e que gosta e está familiarizado com eletrônica e informática certamente já ouviu falar do termo e talvez até tenha usado uma.

Próximo lançamento da MR Energia


Adaptador de áudio quase concluído... Testes de desempenho começando e promissores. Sem ruídos e o pre amplificador é muito, muito silencioso. Está ficando melhor que o esperado. Algumas características:
-Alimentação à bateria (externa) ou Adaptador AC-Dc com voltagens entre 12 a 17 V ;
-Consumo baixíssimo de energia (max. de 50mA/h). Para comparação, uma câmera 5DMKIII consome 1000 mA/h;
-Alimentação Phantom Power para mics condensadores (48V reais);
-Entradas para mic (baixa), mesas de som e outros dispositivos com nível de linha (média) e para instrumentos musicais (alta);
-Saída direta dos mics sem passar pelo preamp para ligação em outros equipamentos de som
Saída regulada para câmeras de vídeo DSLR e outras com nível adequado e conector de 3,5mm com dois canais;
-Saída para fones de ouvido para monitorar as entradas de áudio (bom para quem tem câmeras sem saída para headphones);
-Pode ser usado como pre amplificador e mixer para gravação de instrumentos e voz em celulares ou computador;
-Controle de graves e agudos independentes para cada canal.
Dando tudo certo será uma opção mais acessível de adaptador de áudio para DSLR. Mais notícias em breve! Não deixem de visitar aqui no blog (clicando ali em cima na barra de menu) a página de equipamentos MR Energia já à venda! 

Grande abraço! 

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Não brigue mais com o áudio de sua DSLR!

VU Meter: sabendo usar não vai clipar! Crédito da imagem: Marcelo Ruiz
Continuando o assunto da captação de áudio - principalmente para que usa câmeras DSLR - volto hoje para mostrar um exemplo prático de um dos muitos problemas que podem ocorrer em nosso dia-a-dia. Se você não leu o primeiro artigo e está interessado, clique aqui. Se já leu, muito obrigado e vamos em frente! 

Um dos maiores problemas na captura de áudio com câmeras DSLR é a dificuldade para conexão de microfones profissionais de todos os tipos. Mesmo os que tem conectores compatíveis e foram projetados especialmente para uso em câmeras fotográficas podem causar problemas se o conjunto não for bem regulado. no caso de microfones de uso geral e comum às câmeras broadcast e de cinema, a dificuldade é maior e vai dos conectores, passando pela fixação ao corpo da câmera, alimentação elétrica no caso de modelos condensadores e de eletreto e casamento das impedâncias (resistência interna), nível de saída ou sensibilidade (medidos em mV/Pa)  e nível de pressão acústica (expressos em dB).

Quando 1 + 1 não é = 2: a resposta correta...

Capacidades iguais mas voltagens diferentes. Corrente mais voltagem é igual a potência medida em watts!

No artigo anterior eu deixei a pergunta no ar. Nosso amigo, cinegrafista iniciante, ficou interessado em comprar duas unidades da bateria normal (pequena) ao invés da grande por conta do preço que pagaria por duas e pela mesma capacidade em amperes/hora de cada bateria pequena, que a primeira vista é até maior que a grande. E se você concordou com ele, também foi enganado por esse "truque" da eletricidade. No caso acima, a bateria grande tem o dobro da capacidade das duas pequenas somadas. Vejamos porque:

domingo, 7 de maio de 2017

Quando 1 + 1 não é = 2!

Comparação entre dois tipos de baterias de lítio de fabricante idôneo.

A matemática é uma ciência precisa e bela. A eletricidade também. As duas se complementam e servem para explicarem, uma à outra. Mas para fazer contas, quando se trata de eletricidade, não basta apenas saber as operações básicas. Existem regras. Vejamos o exemplo acima. Dois modelos conhecidos de fabricante idôneo e tradicional. As baterias menores são famosas e amplamente usadas em camcorders profissionais da Sony (NP-F970) e a maior também, só que geralmente em cameras de grande porte ENG. Quais as vantagens de usar uma ou outra? Observando apenas os preços e as capacidades de carga (medidas em mAh - ou miliampere por hora) os menos versados em eletricidade e iniciantes nas artes do vídeo e do cinema podem ficar confusos.

Afinal, duas baterias pequenas dão a mesma voltagem da grande (14,4V) e ambas tem a mesma amperagem (ou carga). O custo de duas pequenas é pouco mais da metade da grande. Sem contar que a grande precisa de um adaptador para fixar e ligar em uma câmera menor do tipo camcorder. E a voltagem da grande é bem maior que a usada por câmeras de mão. Tudo isso pareceria meio confuso ao nosso cinegrafista iniciante, que seria tentado a responder que pelas circunstâncias citadas seria melhor ficar (ou comprar) duas unidades da bateria normal (pequena).  E você que está lendo agora, concordaria com a decisão do colega?

Grande abraço! 

terça-feira, 2 de maio de 2017

A imagem do som!

Créditos da imagem: Aurich Lauson/Ars Technica


Dediquei os últimos posts aqui do blog a u assunto novo: o uso de lentes usadas retiradas de câmeras ENG - geralmente das velhas betacam SD que foram descartadas pelas redes de televisão com a chegada da alta definição - e que passaram a ser vendidas quase a preço de sucata. Lentes maravilhosas, parfocais, com grande extensão focal e muito claras. E com uma grande vantagem em relação as lentes de distância focal variável de câmeras fotográficas: o servo motor para controlar o zoom. Com a popularização do uso das câmeras DSLR como filmadoras, mais produções em diversas categorias são feitas com elas. Do cinema ao documentário, vídeos institucionais e sociais e cinema de guerrilha e curtas metragem. Para atender essa demanda crescente tradicionais fabricantes de filmadoras estão lançando câmeras DSLR com capacidades cada vez melhores para vídeo. Mas não sem criarem novos problemas. E um deles permanece sendo a captação de áudio. Se o objetivo é cinema de baixo custo (ou alto, pois grandes produções tb fazem uso de DSLR’s com bom êxito), vídeos institucionais ou comerciais para TV, a forma de captação de áudio já está bem consolidada e as soluções não mudaram em relação ao uso da película ou de câmeras de vídeo para cinema. O áudio é sempre captado de forma separada, com equipe dedicada de operadores de microfones e gravadores de campo e técnicos de áudio. Depois tudo é mixado na montagem. Mas isso demanda equipe maior, tempo e retrabalho. e custos.