quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Workstation PROCS5 Z68 - Editando AVCHD em tempo real - Parte 2 - Software Premiere CS5

Workstation PROCS5 Z68 - Editing AVCHD in real time - Part 2 - Software Premiere CS5




Vídeo explicativo em 2 partes com dicas de configuração do Premiere Pro CS5 na nova Workstation PROCS5. Nessa segunda parte estão descritas a configurações ideais do Premiere Pro CS5 para edição sem gargalos ou travamentos, com edição em tempo real sem render para preview mesmo em conteúdo alta definição em H.264 (AVCHD). Na primeira parte estão descritas as configurações ideais de uma workstation de ponta para rodar o Premiere CS5 sem dificuldades.

Grande abraço e não deixem de assistir a primeira parte se começaram por aqui.

Marcelo Ruiz




terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Workstation PROCS5 Z68 - Editando AVCHD em tempo real - Parte 1 - Hardware





Vídeo explicativo em 2 partes com dicas de configuração do Premiere Pro CS5 na nova Workstation PROCS5. Nessa primeira parte está descrita a configuração ideal do hardware adequado para rodar o Premiere sem gargalos ou travamentos, com edição em tempo real sem render para preview mesmo em conteúdo alta definição em H.264 (AVCHD). Na segunda parte estão descritas as configurações ideais do Premiere Pro CS5 e sistema de arquivos.

Grande abraço e não deixem de assistir a segunda parte.

Marcelo Ruiz

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

O UFC das ilhas de edição - Teste de desempenho entre pesos pesados novos e alguns heróis do passado...





Testamos diversas configurações de CPU e periféricos, alguns mais antigos e outros recentes para comparar as velocidades de render e exportação no Premiere Pro CS5. Os resultados demonstram que a edição em alta definição, principalmente de formatos altamente comprimidos como o AVCHD requer máquinas de última geração. Aqui infelizmente não há jeitinho nem gambiarra que funcione. Certos softwares e hardwares são incompatíveis com esses novos formato. Insistir em soluções empíricas pode ser pior e terminar com gastos quase semelhantes aos da aquisição de um equipamento adequado.

Abraços,

Marcelo Ruiz

Máquina dos sonhos para 2012 ficou entre as 10 melhores do mundo na classificação do PPBM CS5!

É pessoal... eu dou um duro danado... gasto "as vistas" já meio baqueadas lendo muito e pesquisando. Durmo pouco pra virar as madrugadas debruçado nas workstations. Mas o trabalho dá frutos. A minha máquina dos sonhos para 2012, a qual já dei a receita por aqui, ficou em NONO LUGAR entre mais de 600 testadas no mundo todo, segundo o site PPBM CS5 ! Saiu hoje a classificação do mês de dezembro/2012.

A workstation vencedora foi encomendada pelo Sr. Clayton, de São Joaquim, Santa Catarina  e deve seguir para ele semana que vem, depois de finalizados os testes de desempenho e estabilidade. Como ele mora na cidade mais fria do Brasil, vou inclusive enviar a máquina sem cooler... para evitar congelar o processador... brincadeira.

O resultado está na figura abaixo:








O página do grupo, de onde tirei o instantâneo acima, está no link http://ppbm5.com/DB-PPBM5-1.php

Nos resultados podemos notar que das 10 melhores máquinas para Premiere, entre as mais de 600 testadas, existem 3 com processador i7 2600K. As demais usam processadores Intel série 9XX de 4 ou 6 núcleos que custam bem mais caro. A máquina que está em primeiro lugar fazem alguns meses tem 2 processadores XEON e com os demais periféricos deve estar custando por volta de uns R$ 15 mil para montar.

O que eu falo sempre? Temos que ver a relação custo benefício. Se vocês observarem a tabela a máquina em primeiro lugar, custando talvez o dobro da nossa, criou o arquivo de teste MPEG2 DVD em 21 segundos e a minha workstation, custando a metade do valor, levou 27 segundos. Agora eu pergunto: vale a pena gastar mais R$ 8 mil reais para ganhar 6 segundos?

Essa noite vou dormir feliz feito criança!

Grande abraço a todos!

Marcelo Ruiz

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Agradecimento...

Hoje recebi, aqui na produtora, a visita do amigo Lucino Santana, da Bahia. Lucino segue nosso blog a tempos e é um dos mais ativos, nuca deixando de comentar uma matéria. De passagem rápida por Brasília, deu um jeitinho de vir aqui conhecer nossa produtora. Ele também que é produtor e realizador de documentários institucionais, me trouxe ainda de quebra uma lembrança que foi muito bem recebida, principalmente por minha mulher, que cearense da gema, adorou a rapadura.

Obrigado Lucino, pela gentileza e pela visita. Gostei muito do seu trabalho viu! É o que sempre digo.. não importa o lugar, as condições de trabalho ou a tecnologia se você tem sensibilidade e talento. O importante atrás da lente é o nosso olhar e o coração.

Lucino, não esquece de me enviar o endereço via email para eu te mandar os vidros do TP. Grande abraço, um Feliz Natal e um grande Ano Bom para você e sua família.

Obrigado mais uma vez pela lembrança!

Marcelo Ruiz

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Para quem quer montar sua própria ilha de edição...

Olá pessoal. O Lucino Santana, seguidor aqui do blog, me pediu uma dica para montar ele mesmo a sua máquina dos sonhos. Ele explica que está com a grana curta e que tem medo de comprar as peças no Mercado Livre. Como não é realmente fácil encontrar peças de primeira qualidade em todas as cidades do Brasil, fica aqui uma dica do blog Olhar Tecnológico. O Marcelo da MDT Tecnologia, no Paraná, trabalha somente com equipamentos de primeira linha e tem um super atendimento, além de muita experiência no ramo. Ele também vende no Mercado Livre. Podem comprar sossegados, o cara só vende o que tem qualidade, entrega rápido e principalmente é honesto. Confiram o endereço abaixo.

MDT.TECNOLOGIA
mdt.tecnologia@gmail.com
Av. Laguna, 285
Zona 01
Maringá - PR
87050-260
(44) 3227-4607
(44) 9114-4998 (VIVO)

Mas, como expliquei ao Lucino no post anterior (clique aqui para ver minha resposta) não basta apenas montar os componentes e instalar softwares. São necessárias diversas modificações e afinações para atingir a quase perfeição. Muitas dicas eu dou aqui, mas tem coisas que somente o feeling e a experiência resolvem. 

Grande abraço a todos!

Marcelo Ruiz

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Máquina dos sonhos para 2012... Já estou montando a Z68 CS5Pro..

Pois é... dezembro chegou, o final de um ano de muito trabalho também. O Natal está aí e 2012 se aproxima rápido.
Para o ano de 2012, conforme eu já tinha falado em outro post, a workstation ideal é baseada em chipset Z68 Intel. A solução AsRock Z68 Extreme 7 Gen3 ASRock Extreme4 Gen3 + Intel Sandy Bridge i7 2600K + periféricos de qualidade vai ser a melhor opção custo benefício.

Esta solução está pronta para receber o futuro Ivy Bridge 1155, se ele trouxer realmente vantagem e boa relação custo/benefício. Também suportará as novas interfaces PCI-E 2.0, USB 3.0 agora é nativo do chipset e finalmente as tão esperadas soluções de armazenagem e captura de vídeo com interfaces Thunderbolt da Intel.

Vamos ver o que 2012 traz para nós. Espero que, no mínimo, muita saúde e paz, bons negócios e muita... muita felicidade.

A menina anunciada aqui ao lado já esta toda dentro destas especificações e ainda tem 4 Tera de RAID's 0, 16 Gb de RAM e placa de vídeo GTX570 com 446 núcleos CUDA para rodar macio o AVCHD através do Mercury Playback Engine do Premiere Pro CS5. Se quiserem maiores informações é só mandar um comentário ou email.

Grande Abraço!

Marcelo Ruiz

sábado, 10 de dezembro de 2011

Vocês conhecem o site Wedding Awards?



Navegando pela internet dei de cara com o site Wedding Awards que está premiando os melhores vídeos e fotos de casamentos. Os meus leitores podem até me chamar de desligado, mas eu juro que não conhecia. Os amigos aqui do blog, profissionais da área de eventos sociais provavelmente já devem conhecer ou já terem ouvido falar. Mas como não sou do ramo ( de eventos sociais)  fico meio por fora das novidades.
Mas recomendo a quem não conhece dar uma espiada e aproveitarem para votar nos melhores. E olha que tem muita coisa bonita por lá. Eu já votei. E como nesse caso o voto não precisa ser secreto, abro aqui minha escolha. Clique aqui para ver o vídeo da imagem abaixo em alta definição no Vimeo.




Parabéns ao Edú Corrêa, realizador do vídeo, pelo excelente trabalho e pela sensibilidade. Aqui está uma prova que vídeo de evento social é uma arte maior. E não precisa ser brega ou chato. Eu preciso até pedir desculpas aos meus leitores, principalmente os cineastas de eventos sociais, pois muitas vezes pego pesado na questão do uso de efeitos em demasia e outros artifícios já batidos. Quem assistiu meus vídeos e os posts e respostas a perguntas sabe do que eu estou falando. Aquela desculpa de não usar programas como o Premiere porque ele não tem aquele monte de efeitos e transições e ficar sofrendo com os softwares mais amadores não tem desculpa. Vejam que esse vídeo acima não usa um efeito de transição. Somente corte seco e o bom aproveitamento da profundidade de campo, foco preciso e temperatura de cor da Canon 5DMKII e da 7D. 

No site do concurso tem dezenas de vídeos muito bons e é uma grande fonte de inspiração.

Grande abraço a todos!


segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

O blog está fazendo sucesso!

Chegamos a marca de 1000 page views mensais!. Gostaria de agradecer a todos os leitores do blog por esse sucesso. É bem trabalhoso manter um blog como esse, já que a produção de vídeo é sempre um processo dispendioso e trabalhoso. Mas saber que nosso trabalho tem sido útil a muitos amigos é a melhor recompensa!

Continuem prestigiando nosso trabalho e divulgando o blog. Assim mais pessoas poderão tirar dúvidas e nos enviar sugestões!

Grande abraço a todos!

Marcelo Ruiz

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

A Canon fez de novo! E quem ri por último, ri melhor! Pelo menos por um tempo!

A Canon acaba de lançar um novo modelo de câmera de vídeo que vai fazer tanto ou mais sucesso que a seu ícone, a 5D MKII. Como em uma partida de box, a Sony entrou no ringue cheia de marra em 2008 e revolucionou o mercado com a DSLR que filmava com estupenda qualidade.



Os adversários acusaram o golpe e partiram para o contra-ataque. Ela ficou ali, cada vez mais pertos das cordas e se defendeu como pode dos cruzados de direita e esquerda. Aguentou bem e no último assalto soltou seu gancho fulminante.

A nova câmera, padrão cinema, Canon EOS C300 começará a ser vendida mundialmente em janeiro de 2012 e deve se tornar um marco e um divisor de águas como foi sua prima ilustre, a famosa Canon 5D MKII, tempos atrás.  Digo prima porque, ao contrario da 5D, o novo modelo não é uma máquina fotográfica que também pode filmar em HD, mas sim uma verdadeira filmadora que produz imagens com a qualidade de um equipamento fotográfico de ponta.

Conforme informei no início desse artigo, a Canon esperou com paciência a resposta dos concorrentes e depois de um longa pesquisa com profissionais no set de filmagem, onde ouviu deles, não apenas os desejos e as reclamações dos modelos concorrentes, mas também as reclamações dos usuários de seu modelo 5D MKII. O resultado foi um produto que oferece não apenas um desempenho surpreendente mas também resolve pequenas e grandes deficiências que incomodavam nos equipamentos já lançados.

Não vou me alongar na descrição do novo produto pois isso vocês podem conferir nesse link: http://www.usa.canon.com/cusa/professional/products/professional_cameras/cinema_eos_cameras/eos_c300_pl - Overview

Vamos então falar do que mais me chamou a atenção no novo modelo:

Tamanho cada vez é menos documento...



O negócio é mostrar serviço! A CS300 é compacta, quase do tamanho de uma DSLR profissional. Parece ser bem ergonômica e aceita acessórios de cinema e vídeo. O LCD, alça e suporte de microfone com entradas XLR e empunhadura lateral podem ser retirados de acordo com a necessidade da montagem.

Cabeça fria pensa melhor...



Para evitar o superaquecimento do CMOS e demais componentes internos a câmera possui um sistema de resfriamento passivo e ativo. Isso significa vida mais longa para os componentes e evita as paradas preventivas por aquecimento excessivo.

Fartura de entradas e saídas...



Entradas de áudio XLR com Phanton Power em nível Mic e linha, saída HD-SDI, entrada e saída para genlock, sync e timecode, saída HDMI, saída headphone e terminal LANC para controle remoto.

Tem ainda porta para adaptador wireless (vendido a parte) para controlar remotamente todas as funções da câmera, incluindo monitoramento de vídeo por iPhone, iPad ou outro celular android.

Cartão para dar despesa só o de crédito...



A Canon felizmente optou por usar o confiável Compact Flash para armazenamento e a CS300 possui 2 slots para gravar em MPEG2 4:2:2 Long Gop 50 Mb/s com áudio PCM em um cartão seguido do outro ou em modo dual para backup.

Salada mista...

Entre as muitas qualidades estão: ISO de 320 ate 20.000, Shutter speed de 1/30 ate 1/2000, filtros ND físicos internos, resistente a água (respingos) e poeira, grande latitude mesmo com pouca luz graças ao sensor Super 35mm. O restante está no site do fabricante.

O mais importante no final... ser ou não ser?

Deixei para o final o quesito mais importante: lentes e bocal. Aqui a Canon deu uma no cravo e outra na ferradura, que ela não é besta. A câmera será vendida em dois modelos: CS300 e CS300PL.

O modelo CS300 vem com bocal para lentes EF proprietário da Sony. Nesse caso você pode optar por mais de 60 modelos de lentes fotográficas Canon, inclusive aproveitando as da 5D MKII e mais 3 novos modelos Cine Prime Full Frame com 24, 50 e 85 mm de foco fixo e abertura T 1.3.



O outro modelo (CS300 PL) vem com bocal PL pronto para receber lentes ARRI de cinema, Schneider ou Zeiss. Além disso a Canon lançou dois modelos de lentes PL com zoom novas criadas para a câmera. Uma 14-60 e outra 30-300. São lentes especiais para cinema HD.

Aqui ficou claro que a Canon não quis competir inicialmente com os parceirosde lente e embora afirme que vai continuar lançando outras lentes prime, optou por usar seu bocal EF para essas lentes. Aqui fica a dúvida na hora da compra. Comprar o modelo com montura PL e usar lentes de fabricantes como Zeiss ou ARRI, caríssimas, ou optar pelo modelo com montura EF Canon e usar as lentes existentes de fotografia da marca e mais as 3 lentes PL de foco fixo?

As lentes EF para fotografia e mesmo as novas prime são mais baratas. As lentes PL de fabricantes como ARRI e outros são infinitamente melhores e mais caras. Nesse caso será uma questão de bolso, de aproveitamento de equipamentos que o comprador já possua e do tipo de produção mais frequente a ser feita com a nova câmera.



Conclusão

Para quem é apaixonado pela qualidade de imagem e possibilidades estéticas das DSLR como Canon 5D MKII para suas produções e principalmente tem capital para investir, a EOS CS300 não vai decepcionar. Com preço inicial de US$ 20 mil dólares, a câmera precisa apenas de lentes e cartão para sair produzindo.

A Sony PMW F3 que está no mesmo nível de qualidade parte de US$ 24 mil dólares com a vantagem de vir com um kit de 3 lentes compact prime fabricadas pela Sony, mas usando a montura E-Mount proprietária da marca e precisando de anéis adaptadores para outras lentes, inclusive PL Arri.



O valor, apesar de proibitivo para a maioria das pequenas e médias produtoras ainda é uma pechincha se comparado a rival que a Canon mirou ao fazer esse lançamento: a Scarlet da RED ONE. O modelo da marca do famoso ponto vermelho não sai por menos de US$ 17 mil dólares, sendo que o feliz comprador ainda vai desembolsar outros US$ 30 mil para comprar outros acessórios RED necessários para terminar de montar a câmera e comprar um jogo de lentes PL.



Está disponível no Vimeo um vídeo bem interessante descrevendo as características do novo modelo:


Como venho dizendo a alguns anos, desde o lançamento das filmadoras com lentes intercambiáveis como a XL da Canon, EX3 e Z7 da Sony, alguns modelos da JVC e a própria RED, a partir de 2006, a tendência do mercado de fabricantes de câmeras de vídeo e cinema é lançar corpos com alta tecnologia e desempenho a preços relativamente baratos e deixar as lentes (a parte mais cara) para o comprador escolher e arcar com o custo.

O futuro do nosso negócio passará por comprarmos apenas os corpos das câmeras e uma lente básica e locar de fornecedores especializados, que deverão se multiplicar, as demais lentes necessárias para cada tipo de projeto. Afinal em um bom comercial, curta metragem ou documentário são necessárias uma meia dúzia de lentes diferentes para ser modesto. E custo desse set de lentes pode facilmente alcançar a casa dos US$ 200 mil dólares.



Mas uma coisa é certa: lentes boas são um investimento a prova de futuro. Um bom jogo de lentes pode facilmente durar e ser utilizado por mais de 30 anos se bem conservadas. Geralmente passam de pai para filho. É o caso das prime ARRI com montura PL. Já são sucesso a mais de 30 anos. Mudaram as câmeras, inclusive as de cinema, que estão largando a película para optar pelo digital e as lentes vão passando de um a outro modelo novo. Pena que meu grande pai não foi cineasta...

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Premiere CS5: Cada coisa em seu lugar!





Dicas para configuração do Premiere Pro CS5 quanto a disposição de arquivos e pastas de projeto e conteúdo nos drivers de sua ilha de edição. Separando os arquivos em diversos discos RAID 0.


segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Premiere Pro CS5. Colocando as coisas no lugar certo.

Muita gente ainda tem dúvida quanto ao assunto disco rígido e seu papel na edição de vídeos e sua verdadeira importância para o desempenho da ilha de edição e dos próprios programas como o Premiere Pro CS5. Vamos então falar um pouco sobre esse assunto tão polêmico.

Alguns leitores do blog me escrevem dizendo não gostarem ou não confiarem em sistemas de HD em RAID. Antes de entrar no assunto do artigo, vou explicar rapidamente o que é RAID usando linguagem simples e sendo breve.

RAID é uma sigla para Redundant Array of Independent Disks (Conjunto Redundante de Discos Independentes). Um RAID de discos nada mais é que um conjunto formado por dois ou mais discos rígidos físicos trabalhando como se fossem um só. Existem vários tipos de arranjos de RAID. Cada um oferece um tipo de funcionalidade ou mesmo mais de um tipo. Vou citar os que mais nos interessam na edição de vídeo:

RAID 0 – VELOCIDADE – Dois ou mais discos que podem ser de tamanhos diferentes trabalhando juntos sendo o espaço disponível igual a soma das capacidades de cada disco individual. As velocidades de leitura e gravação aumentam consideravelmente a medida que mais discos estão juntos até um certo limite que é determinado pela velocidade do barramento ao qual estão conectados. NÃO OFERECE SEGURANÇA! Se um dos discos do conjunto falhar todo o conteúdo armazenado será perdido em todo o conjunto.

RAID 1 – SEGURANÇA – Dois ou mais discos, sempre em numero par, de mesma capacidade trabalhando juntos, sendo o espaço disponível igual a metade da capacidade total dos discos. Os arquivos gravados em metade dos discos são espelhados na outra metade. Se um dos discos falhar, pode ser trocado em uso e o sistema reescreverá nele o conteúdo perdido guardado no seu par automaticamente. OFERECE SEGURANÇA MAS NÃO TEM VELOCIDADE.

RAID 10 – SEGURANÇA E VELOCIDADE – Quatro ou mais discos arranjados de forma a dar velocidade e redundância de dados. O conjunto de dois ou mais discos em RAID 0 é espelhado em outro conjunto de discos como se fosse RAID 1. SEGURANÇA E VELOCIDADE. Custo elevado e aumento de espaço necessário dentro ou fora da CPU.
Agora que sabemos os tipos de RAID, qual devemos usar? A resposta está na relação custo-benefício. Se há orçamento e espaço no gabinete ou fora dele em um gabinete externo dedicado e nesse caso uma conexão veloz entre o gabinete externo e a CPU o sistema RAID 10 é o melhor.

Se não ha muito recurso financeiro e precisamos de confiabilidade é melhor ir de RAID 1. Mas vamos ter a mesma velocidade de um disco simples. Bom para guardar arquivos importantes como vídeos já editados, mas não adequado para editar material bruto.
Se o recurso é limitado mas necessitamos de velocidade para edição, como no caso de material AVCHD o RAID 0 é o mais indicado. Corremos o risco de perder o material bruto caso um dos discos falhe.

O que eu recomendo e por que...

Eu sou adepto do RAID 0 para todas as situações. As placas-mãe possuem poucas conexões SATA e as placas externas dedicadas para RAID são caras. Os HD’s também não são baratos.

Mas sempre sigo certas regras que já mencionei em diversos vídeos e posts aqui no blog. São elas:

1. Material bruto é ouro. Filmou, guardou com segurança. Tem trabalhos que não podem ser filmados novamente (um casamento) e outros que podem serão caros e difíceis de repetir.
2. Material bruto chegou? É fita? Passa para a ilha de armazenagem (não é a ilha de edição!) e guarda as fitas em local adequado.
3. Material bruto chegou? É media sólida como cartão SDHC? Não pode guardar e nem deve por conta do alto custo do cartão? Passa para a ilha de armazenagem e em seguida para a ilha de edição. Pronto. Você já tem um backup e pode apagar seus cartões para nova utilização.
4. Sua ilha de backup pode ser um computador mais antigo (uma antiga ilha de edição que foi aposentada mas ainda é melhor que a media) e deve ter o máximo de HD’s de grande capacidade em sistema RAID 1. Pronto você além de backup tem redundância na sua armazenagem.
5. Nunca use um HDD mais de um ano! Mesmo que ele esteja perfeito, aposente depois desse período. Você pode usá-lo em sua ilha de armazenagem. Quando estiverem cheios, podem ser retirados da ilha de armazenagem e guardados com segurança, devidamente embalados com plástico bolha para proteção contra quedas e em local seco e seguro.
6. Poupar dinheiro usando HD até o fim da vida útil é um grande erro e pode causar mais prejuízos financeiros que a compra de novos.
7. Acabou de editar um projeto na ilha de edição? Salve os arquivos de vídeos finalizados na ilha de armazenamento e os arquivos de projeto também, caso necessite usá-los no futuro.
8. Apague tudo da ilha de edição antes de iniciar um novo projeto. Se possível formate os HD’s de vídeos brutos e de render e arquivos prontos. Você verá o quanto ganha em velocidade com uma ilha sempre vazia e limpinha!
Se seguir esses passos religiosamente não precisa se preocupar em montar sistemas de RAID 1 ou 10. Se seus HD’s da ilha de edição são sempre novos e com menos de um ano dificilmente darão problemas e mesmo em uma eventualidade de quebra por pico de energia, aquecimento ( não deveria acontecer se vc cuidou disso ao montar sua ilha) ou mesmo por defeito de fabricação, você perderá apenas arquivos brutos que estão seguros na ilha de armazenagem ou, pior das hipóteses, seu projeto inteiro se a pane for no conjunto de discos dedicados ao s arquivos de projeto e vídeos salvos.
Mesmo nesse caso vc pode salvar de tempos em tempos uma EDL (Edition Decision List) de seu projeto em um arquivo pequeno o bastante para caber em um pendrive. E assim recuperar seu projeto inteiro em caso de problemas.
Então vamos a configuração da ilha de edição rodando Premiere Pro CS5 ou superior quanto a configuração dos HDD. Primeiramente você deve saber quais tipos de arquivos o Premiere gera durante o processo de edição e onde estes devem estar localizados.
Antes de começarmos vamos lembrar mais uma vez: NENHUM ARQUIVO DE PROJETO, ARQUIVO BRUTO E OUTROS DEVEM FICAR NO DRIVE C: DA SUA ILHA! Configure sempre o Premiere da forma como vou indicar abaixo para evitar que seu drive C: se entupa de lixo e sua edição fique lenta.
Para obter o máximo de desempenho de sua ilha, principalmente trabalhando com arquivos AVCHD, tenha em mente que você deve ter os seguintes drives em sua máquina (aqui não tem milagre ou jeitinho brasileiro, se não for assim não funciona e não adianta me pedir soluções mágicas):
1. C: > DRIVE DE SISTEMA E PROGRAMAS > SSD HD (HD DE ESTADO SÓLIDO) de 120 Gb (mínimo de 60 Gb já cabe bem o Win7 e o pacote Adobe) para seu sistema operacional e os arquivos de programa de edição. E só!
2. D: > DRIVE DE BLURAY E/OU DVD
3. E: > DRIVE DE ARQUIVOS BRUTOS DE VÍDEO > 4 HD SEAGATE SATA III DE 7200 RPM DE 1 TB EM RAID 0. Aqui vão SOMENTE os arquivos brutos de vídeo de seu projeto e demais arquivos de fotos, musicas e outros que serão usados na edição. Nada mais.
4. F: > DRIVE DE ARQUIVOS DE PROJETO > 2 HD SEAGATE SATA III DE 7200 RPM DE 1,5 TB EM RAID 0. Aqui vão as pastas de projeto do seu trabalho, as pastas de vídeos exportados, as pastas de arquivos de render, conforming de áudio e vídeo e preview que o Premiere gera durante a edição.

Tipos de arquivo gerados pelo Premiere Pro CS5:

Arquivos com a extensão *.prproj: ficam dentro da pasta Adobe Premiere auto Save que será criada onde você salvou seu projeto ao iniciar um trabalho novo no Premiere e desde que tenha indicado isso nas configurações em Edit>Preferences>Media> Criar pasta chamada Media Cache Files e outra pasta chamada Media Cache Database no drive F: (o mesmo em que vc salvará seu projeto.

Arquivos com a extensão *.mpeg (Rendered – sequencia de números e letras. Mpeg) ficam dentro da pasta Adobe Premiere Pro Preview Files e são criados quando um vídeo ou parte de uma sequência de vídeos e efeitos é renderizada na timeline. São esses arquivos que o Premiere executa quando dá play na timeline depois do render. São arquivos mpeg menos compactados que os originais em outros formatos(AVCHD por exemplo) e por isso rodam sem travamentos depois do render. É por isso que essa pasta deve ser criada, ao abrir um projeto novo, dentro da pasta geral que vc criou para seu projeto no drive F: (arquivos de projeto e render) e nunca deve estar no mesmo drive dos arquivos brutos de vídeo (E:) pois eles competem com os originais na hora de um preview. Como são arquivos em mpeg e tem uma certa compactação rodam melhor em um sistema de RAID dedicado.

Arquivos com a extensão *.xmp (Rendered – sequencia de números e letras. xmp) ficam dentro da mesma pasta acima e são os metadados do arquivo mpeg acima, criado quando vc rederizou uma sequencia.

Arquivos com extenção *.mcdb (sequencia de números e letras.mcdb) são arquivos de media cache data base ficam na pasta Media Cache dentro da pasta Media Cache Data Base que você deve criar na primeira vez que instala e abre o primeiro projeto do Premiere Pro CS5 na opção Edit>Preferences>Media. Nessa mesma tela aberta vc aproveita para desmarcar as seguintes opções:
· Save Media Cache files next to originals when possible (se deixar marcado os arquivos de preview vão parar no drive E: onde estão os vídeos brutos originais;
· Write XMP ID to Files on Import (se deixar marcada essa opção, toda vez que mudar um arquivo ou mesmo todo o projeto de computador ou pasta, o Premiere gastará muito tempo fazendo novamente o conforming de vídeo e áudio de todos os vídeos do projeto desnecessariamente);
· Enable Clip and XMP Metadata Linking (idem explicação acima)

Aqui um adendo importante:

Essas configurações são globais para todos os programas da suíte Premiere instalados no seu computador. Modificando os itens acima no Premiere eles tb terão a mesma configuração no After Efects e outros programas. Portanto não mude essa configuração no After, por exemplo, para não perde-la no Premiere.
Se você ja usa o Premiere Pro CS5 a algum tempo, abra qualquer projeto existente vá em Edit>Preferences>Media e faça essas alterações criando essas duas pastas no drive apropriado (aquele que vc guarda seus vídeos brutos em caso de não ter o sistema de HD’s em RAID que eu indiquei aqui) para evitar que esses arquivos sejam criados aleatoriamente pelo Premiere no seu drive C: pois isso é o default do programa e acaba entupindo seu drive C: depois de vários projetos.
Depois de criadas as novas pastas, vá em C:/usuarios/seu nome/AppData/Roaming/Adobe/Common/ e apague as pastas Media Cache e Media Cache Files que estão lá. Normalmente quando vc indica ao Premiere o local novo dessas pastas ele lhe pergunta se é para transferir, manter ou apagar os arquivos de lá. Mas para garantir apague as pastas depois de transferir os arquivos.

Muitos clientes me mandam maquinas misteriosamente travadas com o drive C: entupido e sem espaço por conta dos vários gigabytes de lixo guardados nessa pasta escondida e não se dão conta que o computador estava lento por conta desse detalhe.

Arquivos com a extensão *.cfa (sequencia de números.cfa) são arquivos de conforming de áudio gerados pelo Premiere cada vez que um novo arquivo de vídeo contendo áudio ou um arquivo de áudio é adicionado a timeline pela primeira vez ou algum arquivo desses é mudado de pasta. Ficam na pasta Media Cache Files que deve ser criada no drive F: de sua ilha ao instalar o Premiere pela primeira vez ou modificar sua instalação conforme explicado no item anterior.
Arquivos com a extensão *.pek (sequencia de números.pek) são arquivos de normalização de áudio que ficam na mesma pasta acima e com a mesma explicação anterior.
Arquivos com a extensão *.mpgindex (sequencia de números e letras.mpgindex) são arquivos de indexação dos arquivos de render de vídeo e áudio criados quando uma sequencia é renderizada. São complementares aos arquivos *.mpeg e ficam também na pasta Media Cache Files.
Arquivos com a extensão *.prmdc (mesmo nome do projeto - sequencia de números.prmdc) são arquivos de metadados do cache de cada projeto e ficam dentro da pasta Metadata Cache em C:/users/seu nome/arquivos de programa/adobe/premiere pro/5.0 e não podem ser mudados de lugar. Geralmente tem menos de 200 Kb e podem ser apagados de tempos em tempos quando os projetos não forem mais necessários e tiverem sido deletados da sua ilha. Não pesam nada no desempenho do computador e demorarão muitos anos para encherem seu HD. Mas depois de terminado um projeto passam a ser lixo.
Arquivos com a extensão *.m2t, *.avi, *.mpg, *.vob, *.mpeg, *.mts, *.mp4, *.wav e demais arquivos de áudio, vídeo e imagens são arquivos geralmente importados por você para seu projeto e devem sempre ficar no drive E: ou outra letra qualquer, dedicado aos arquivos brutos de projeto. No caso de vídeos finalizados e exportados, seu trabalho pronto para o cliente, eles devem ser exportados para a pasta Vídeos Finalizados dentro da pasta do projeto correspondente no drive F: (ou qualquer outra letra) que é usado para arquivos de projeto e render e nunca no drive de Vídeos Brutos ou drive de sistema e programas.

Bem pessoal, acho que é isso. Se eu esqueci de alguma coisa por favor comentem. Como vocês podem ver o assunto RAID é complexo e o assunto distribuição de arquivos dentro de drives e pastas no Premiere mais ainda. Por isso alguns colegas ainda sofrem dificuldades com travamentos e demora de render e exportação no Premiere, mesmo tendo montado máquinas com componentes de primeira linha.

Volto a afirmar que não adianta o melhor processador, placa-mãe, memória, fonte e gabinete se você tentar economizar nos discos rígidos. Eles ainda são a maior fonte de lentidão em qualquer computador. Até que os discos rígidos de estado sólido tenham grande capacidade e diminuição de custo em termos de R$/Gb armazenado, a melhor escolha para obter velocidade de leitura e gravação são os arranjos de discos em RAID 0.


Grande abraço a todos! 

Marcelo Ruiz

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Porque eu estou recomendando a mobo AsRock Z68 Extreme7 Gen 3?

Muitos estão em dúvida entre partir para as novas placas-mãe com chipset Z68 ou ainda comprar ou permanecer usando os modelos P68. Tenho visto isso em muitos fóruns de discussão no Brasil e exterior. A dobradinha Intel i7 2600K e chipset P68 tem se mostrado imbatível até mesmo em relação a processadores de 6 núcleos como o Intel 990X em diversas aplicações. E além disso para que se preocupa com a relação custo-benefício, aí mesmo o 2600K é campeão.

O ano de 2012 promete uma série de novidades tecnológicas na área de super máquinas. A intel vai lançar duas famílias de processadores. Uma baseada na arquitetura Sandy Brige, com o nome de Ivy Bridge que terá tecnologia 22 nm. A outra novidade é o soquete LGA 2011 que substituirá o antigo LGA 1366. Com isso a Intel continuará a divisão de águas entre máquinas voltadas para o mercado de servidores hi-end e máquinas para o segmento gammers e aficionados. Nessa última categoria se encontram os profissionais de edição de vídeo.

Estação de trabalho para edição não linear tem que ter, na minha opinião, duas características básicas: desempenho e baixo custo. Isso porque a maioria das pequenas e medias produtoras e profissionais autônomos possuem recursos financeiros limitados. Além disso o mercado de vídeo trabalha com prazos curtos e demanda incerta. Muitas vezes a quantidade de trabalho ou os prazos ficam apertados e temos que montar outra ilha de edição. Então os custos precisam ser racionais. Entre uma máquina de R$ 20.000,00 reais e três de R$ 7.000,00, prefiro seguramente a segunda alternativa.

Nesse caso, os novos lançamentos da Intel para 2012 nos colocam em frente a dois caminhos: o novo chipset Z68 e a família Ivy Brige com preços mais favoráveis ou o novo Soquete LGA 2011 com chipset X79 e os processadores Sandy Bridge-E da série I7 3XXXX ou XEON-E5. Entre uma e outra uma diferença de até 1200 dólares a mais somente em processador e placa-mãe. e uma diferença de desempenho não superior a 30% em alguns casos.

Assim como meu road-map para 2011 deu preferência ao custo benefício da plataforma P68 e Sandy Bridge 2600, minha aposta para 2012 continuará na mesma linha. Vejamos algumas vantagens:

  1. Custo-benefício
  2. Simplicidade de aquisição de componentes e montagem;
  3. Pronta para usar tanto a geração Sandy Bridge atual como a nova Ivy Bridge 2012;
  4. Pronta para a tecnologia PCI-Express 3.0;
  5. Maior número de portas SATA 3 e SATA2;
  6. Maior velocidade no barramento PCI-E quando em uso de periféricos como placas RAID externas ou placas de captura de vídeo;
  7. Boa expectativa de vida útil.
Mas deve se prestar atenção na hora da escolha do modelo. Não são todas as placas Z68 que estão vindo prontas para a tecnologia PCI-E 3.0. É necessário verificar se o modelo que você está comprando possui a versão do chip de controle certa (veja meu artigo "Roadmap para 2012"). E também o número de portas SATA 6 GB/s disponíveis.

Por isso estou indicando o modelo Z68Extreme 7 Gen 3 da AsRock. Nota de 29/12/2012: Por enquanto apenas o modelo Z68 Extreme4 Gen3 da ASROCK Ela possui um excelente nível de acabamento, confiabilidade e os recursos que eu comentei até aqui. Por isso olho vivo na hora da compra. Tem fabricante dizendo que seu modelo está pronto para o PCI-E 3.0 mas é pura propaganda enganosa.

Outra boa novidade para a área de edição de vídeo será o possível lançamento ainda em 2012 de novas placas de captura e processamento em tempo real de vídeos em HD com interface Thunderbolt. E não apenas placas de captura, mas unidades externas de armazenamento com multidiscos em RAID e monitores com resoluções bem mais altas com a mesma porta Thunderbolt. É provável que surjam no mercado placas-mãe com a porta já incorporada. A indústria faz segredo disso ainda. Mas com toda certeza a Intel licenciará alguns fabricantes parceiros para lançarem placas PCI-E 3.0 com a nova porta para serem instaladas em placas-mãe como a Z68. Mesmo isso tudo sendo ainda rumores e especulações, o fato é que somente um barramento com a velocidade disponível nos novos 3.0 poderá hospedar periféricos com a velocidade do chip Thunderbolt. Por enquanto somente os usuários de MacBook Pro podem usufruir dessa tecnologia. Mas ela não é e nem será exclusiva da Apple. A preferência dada pela intel ao fabricante da maçã termina em março de 2012. Depois quem viver vera...

Grande abraço a todos os meus leitores.

Marcelo Ruiz



sábado, 5 de novembro de 2011

Roadmap dos sistemas de edição para 2012

Estamos chegando ao fim de 2011 e muitos colegas, assim como eu, aproveitam o final de ano e férias de janeiro para dar uma melhorada na produtora. Seja comprando novos equipamentos, fazendo reformas físicas e também fazendo a manutenção das ilhas de edição.
Aproveito essa época do ano, pois além de o faturamento melhorar um pouquinho nos últimos meses do ano, as festas de Natal e Ano Novo e as férias escolares de janeiro fazem os clientes diminuírem suas demandas. Para nossa produtora aqui em Brasília, essa período é quase parado em termos de novos contratos. Geralmente eu e meus sócios tiramos férias e damos férias ao nossos colaboradores.
Eu aproveito então para desmontar as ilhas de edição, seja para fazer um upgrade ou mesmo manutenção normal. Tiro todos equipamentos dos armários, reviso cabos elétricos, de áudio e vídeo e faço aquela limpeza. Aproveito para jogar fora o que não tem mais serventia e vendo equipamentos usados (sempre em ótimo estado) que foram substituídos por novos.
Reciclar e renovar é sempre uma ótima oportunidade de fazer circular a energia positiva de um ambiente, seja em casa ou no trabalho. E esse tipo de manutenção preventiva evita dores de cabeça com equipamentos quando o ano realmente começa depois do carnaval!
Para quem vai dar um upgrade nas ilhas de edição ou comprar mais um equipamento para integrar ao patrimônio, aqui vão minhas dicas para 2012.
Cuidado com a compra de novas ilhas. Se você costuma comprar o equipamento já pronto de algum fornecedor ou se, como eu, prefere construir seu próprio sistema do zero, comprando peça por peça, deve ter cuidado de escolher componentes que possam ter uma razoável vida útil.
Quando falo em vida útil não me refiro apenas na questão da durabilidade e qualidade dos componentes. Como o mercado de hardware muda constantemente e os fabricantes de processadores e outros periféricos estão lançando novas tecnologias com uma velocidade impressionante, é bom saber o que comprar para não correr o risco de investir pesado em um sistema e vê-lo ficar obsoleto poucos meses depois.
Então aqui vai o roadmap para 2012. Estou levando em consideraçãoo todas as variáveis em termos de lançamento de novas tecnologias previstas para o ano que vem. São elas:
Processadores:
A Intel anunciou esse semestre que até março de 2012 lançará a nova série de processadores Ivy Bridge. Felizmente os processadores I3, I5 e I7 da série ainda virão com o soquete 1155. Os mesmo que atualmente está presente na segunda geração, a Sandy Bridge. Dessa forma as placas-mãe atuais deverão rodar esses novos processadores, provavelmente sendo necessária a atualização da Bios. Essa nova série Ivy Bridge trará como grande novidade a melhoria da GPU integrada, que vai rodar games e vídeos em 2D e 3D com mais eficiência e também trará suporte nativo para USB 3.0.

Para quem edita vídeos isso não é tão importante, já que atualmente o Premiere CS5.5 não roda o Mercury Play Back em placas de vídeo onboard. E o desempenho desse software só é sentido quando se usa placas dedicadas da NVIDIA com rocessadores Cuda.
A grande novidade da nova geração Ivy Bridge, para os editores de vídeo, é o suporte nativo a próxima geração do slot PCI. O novo padrão PCI-Express 3.0 dobrará a velocidade de banda e permitirá o uso de placas de vídeo mais velozes. Estas ainda não foram lançadas, mas os fabricantes promentem novos modelos para o final de 2012.
Além disso, os fabricantes de placas de captura e edição de vídeo deverão lançar novos modelos com esse padrão. E especula-se que os HDD de estado sólido montados em placas PCI-E, como o OCZ RevoDrive, também utilizem o novo padrão. Provavelmente a nova conexão Thunderbolt, que a partir de abril de 2012 deixa de ser exclusiva dos computadores Apple, deverá ser disponibilizada em placas PCI-E 3.0 tal como foi feito com a moribunda Firewire (IEEE1394) que, antes de vir montada diretamente nas placas-mãe, foi oferecida primeiramente em placas PCI.
Que placa comprar?
O importante é saber em qual chipset apostar. Esse ano foi uma verdadeira sopa de letrinhas no mundo das motherboards. P67, H67, H61 são chipsets que mal foram absorvidos pelo mercado acostumado com a dobradinha X58 e soquete 1366, que reinavam imbatíveis como melhores opções para edição de vídeo. Um exemplo de configuração de sucesso foi o processador I7 990X de primeira geração com placas como a Intel DX58SO2 ou a Asus PX58D Premium, ambas com chipset X58.
A extrema velocidade dos processadores Intel Sandy Brige de segunda geração como o I7 2600K de quatro núcleos surpreenderam e superaram em desempenho até mesmo os processadores de 6 núcleos da série anterior.
A promessa de sucesso para 2012 são as novas placas-mãe baseadas no chipset Z68 da Intel. Mas atenção na escolha. Somente alguns modelos de poucos fabricantes estão realmente preparadas para receber os novos processadores Ivy Bridge. As portas PCI-E 3.0 só funcionarão na velocidade prometida se o processador for da nova geração e o chip correto para fazer a troca de velocidade das portas PCI-E.

Uma boa opção é sem dúvida o modelo Z68Extreme7 Gen3 da AsRock. Nota de 29/12/2012: por enquanto estou recomendando o modelo Z68 Extreme4 Gen3 do mesmo fabricante, devido a relatos não confirmados pela ASRock de aquecimento no chipset ASMedia ASM1061, que controla as 4 portas extras SATA3 do modelo Z68 Extreme 7 Gen3. Mas as demais funcões  dos dois modelos são iguais. Ela já vem com chip que fará automaticamente a troca da velocidade do barramento PCI-E quando detectado um periférico adequado e o processador de nova geração da Intel. Além disso ela vem equipada com nada menos que 6 portas Sata 6Gb/s e mais 4 portas Sata 3Gb/s, permitindo assim uma grande flexibilidade para montagem de sistemas de discos rígidos em RAID. Uma grande novidade da Asus para esse modelo de placa-mãe é a inclusão de um chip chamado PEX8608 proprietário da Asus. A tecnologia PLX resolve um problema sério existente nas pacas equipadas com chipsets P67, H67 e Z68 que é a perda de velocidade de transmissão nas portas PCI-E x1 e x4 quando eram populadas simultaneamente com placas dedicadas, como placas de captura de vídeo, placas de E-Sata e USB 3.0 adicionais.
Com a tecnologia PLX da AsRock todas as portas podem ser usadas simultaneamente sem perda da velocidade de comuicação e transferência de dados. Esse era um grande inconveniente para quem editada vídeos e precisava, por exemplo instalar uma placa de captura em um slot PCI-E x4 ( como uma Blackmagic Studio HD) e uma placa controladora Sata para adicionar mais portas para discos rígidos em RAID por exemplo.







Então, seja quais forem os lançamentos de novos periféricos para 2012, a ASRock Z68Extreme7 Gen3 ASRock Z68 Exrtreme 4 Gen3 dará conta do recado. E como outras novidades em termos de chipset e periféricos, além das já mencionadas até aqui, só chegarão ao mercado nacional em 2013, uma ilha equipada com essa placa terá pelo menos 2 anos de vanguarda tecnológica.

Para quem vai me perguntar sobre o chipset X79 e os processadores Sandy Bridge-E que também estão em fase de pré-lançamento, minha opinião é que serão mais voltados para o mercado de servidores. Além de não terem alguns aperfeiçoamentos como suporte nativo a USB 3.0 e uma arquitetura mais parecida com o chipset X58. Seria como se comparássemos as placas-mãe para servidores para os processadores Xeon e os processadores Core I7.
Já postei aqui no blog artigos falando das vantagens e desvantagens do uso desse tipo de processador para edição de vídeo. O principal ponto a se considerar é o custo-benefício. Pelos rumores de mercado o valor do processador Sandy Brigde I7X3960 de seis núcleos deverá ficar na casa dos US$ 1.000,00. Pelo menos 3 vezes mais caros que os I72600K e com desempenho ligeiramente superior.
Como faço sempre a opção de falar de equipamentos dentro das necessidades e realidade do mercado de vídeo para pequenas e médias produtoras, que utilizam ilhas de edição mais próximas dos PC’s com arquiteturas mais populares, prefiro apostar no chipset Z68 e na nova arquitetura Ivy Bridge.
Então para quem vai preparar os pedidos de Natal ao Bom Velhinho aqui vai a lista completa para montar sua “Dream Machine 2012”. O custo médio atual somente para os componentes de hardware agora em novembro de 2011 seria de R$ 7.500,00. Mas é máquina para rodar tranquilamente vídeos em alta definição sem compressão ou em AVCHD sem travamentos e com muita rapidez nas tarefas de render e exportação. Para quem vai fazer upgrade há uma economia em função do aproveitamento de alguns componentes.

OBS: O modelo de placa-mãe da figura acima é o Z68 Extreme7 Gen3. No momento ão indicamos esse modelo (ler texto) e sim o modelo Z68 Extreme4 Gen3 do mesmo fabricante.








quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Dicas para as novas motherboards com chipset Z68

Para quem está pensando em fazer um upgrade na ilha de edição ou montar uma nova com as placas-mãe da série Z68 (com chipset Intel Z68) aqui vão algumas dicas.

O recém lançado chipset Z68 vem com uma nova tecnologia chamada Lucid Virtu que promete acelerar transcodificação de vídeos em tempo mais rápido, permitir o uso de uma placa de vídeo adicional em conjunto com a GPU embutida nos processadores I7 e I5 alternando o uso de acordo com a tarefa a ser executada. Existem outras funcionalidades interessantes, como a tecnologia Intel Rapid Response que permite acrescentar um Hd de estado sólido (SSD HD) para trabalhar como cache do HD principal do sistema, carregando assim mais rapidamente os arquivos mais utilizados.

Mas todas essas novidades não têm efeito prático para quem usa essa placa para trabalhar com edição de vídeos. Pelo contrário. Elas atrapalham e inviabilizam o uso de outras tecnologias mais importantes para o nosso segmento.

Mas porque então eu indiquei essa placa na máquina dos sonhos do mês de novembro? Simples. O novo chipset traz melhorias no gerenciamento de troca de dados entre o processador e o chipset que tornam mais rápido o trafego de dados entre os discos rígidos, memória, processador e portas PCI-E e SATA. essas novas placas também estão preparadas para a nova versão dos processadores I7 que serão lançados no início de 2012 pela Intel, garantindo assim maior vida útil para a placa.

Também permitirá o uso da tecnologia Thunderbolt através da adição de placas dedicadas com conectores PCI Express de nova geração. As placas mais antigas, mesmo possuindo slots PCI-E vagos não são compatíveis com a tecnologia Thunderbolt.

Para não ter problemas de lags e travamentos em vídeos AVCHD e poder usar corretamente o Mercury Playback Engine do Premiere, a função Lucid Virtu deve ser desabilitada na bios da placa e os monitores devem ser ligados na placa de vídeo externa e não nos conectores onboard da placa-mãe. Também na bios deve ser escolhida a placa PCI-E como preferencial para video.

O que está acontecendo é que, por conta da ligação física dos conectores de vídeo da placa-mãe, que são usados quando se habilita a GPU do processador I7 ou i5, com os slots PCI-E x16, tanto faz vc ligar os monitores principal e secundário nos conectores do painel traseiro da placa-mãe ou nos conectores da placa de vídeo instalada na porta PCI-E. Pois o sistema foi projetado, quando a tecnologia Lucid está habilitada na bios, para usar uma ou outra GPU automaticamente.

O erro está acontecendo no Premiere porque este foi projetado para reconhecer a instalação de uma placa de vídeo com tecnologia NVidia Cuda e habilitar automaticamente o Mercury Playback Engine. O detalhe é mesmo o vídeo aparecendo com a barra amarela indicativa de que não está sendo necessário o render na timeline, o preview de vídeo está sendo feito pela GPU dentro do processador I7, já que a tecnologia Lucid Virtu está programada para usar a placa offboard de vídeo somente nos casos de serem detectados alguns games mais pesados que necessitem de 3D e outros recursos.

A Microsoft, que comprou a licença do Lucid Virtu de outro fabricante, lançou um driver em versão Beta para trabalhar como um plugin do Premiere CS5 habilitando no ADOBE MEDIA ENCODER algumas opções de exportação de vídeo com render pela GPU do processador.Mas por enquanto somente para Codecs MPEG e alguns outros. Deixando de fora o AVCHD e outros codecs como o DVCPRO da Panasonic.

A NViDIA não se manifestou a respeito e provavelmente não terá interesse em certificar a tecnologia CUDA para ser compatível com LUCID VIRTU já que são tecnologias concorrentes e pelo fato de que os processadores I5 e I7 com GPU embutida tiram mercado de venda de placas OF BOARD para a maioria dos usuários comuns de PC.

Um leitor aqui do blog me comunicou problemas de lag e pequenos travamentos mesmo tendo montado uma máquina de ponta. Me pediu ajuda e eu quebrei a cabeça até descobrir o problema depois de uma longa pesquisa na web. Espero que ele tenha solucionado o bug.

Volto a afirmar que as novas placas com chipset Z68 são o futuro em termos de edição, desde que sejam seguidos os passos que mencionei acima.

Grande abraço a todos.


Marcelo Ruiz


terça-feira, 1 de novembro de 2011

Maquina dos sonhos para novembro 2011

Como sempre faço aqui no blog, eis a máquina dos sonhos para editar em Premiere CS 5.5 podendo trabalhar com AVCHD 1920 x 1080 em tempo real sem render para visualização. Atualizei a placa mãe para o modelo ASUS com chipset Z68 Intel e a placa de vídeo para o processador NVIDIA GTX570. O restante permanece inalterado em relação ao mês de outubro. Veja abaixo a relação de hardware:


Intel Core i7-2600K 3.4GHz/8MB/IGPU (4C/8T) LGA1155 OEM
ASUS P8Z68 Deluxe p/ Intel LGA1155 4xDDR3/3PCI-e/2PCI/4SATA/4SATA6Gb
Kit 16 Gb Corsair Vengeance 4gb (4x4gb) Ddr3 1600mhz Cl9 1.5v
VGA PCI-e GeForce GTX570 EVGA 1GB DDR5 256 bits 512 Cuda Cores
SSD Corsair Force Series 3 120GB [CSSD-F120GB3-BK] SATA 6Gb/s (L=550MB/s / E=510MB/s)
Hard Disk Seagate 1.0TB 7200RPM 32MB SATA 6Gb/s [ST31000528AS]
HDD Seagate Barracuda 1Tb Sata III 7200 2Gb 2 discos RAID 0
Fonte ATX Corsair TX750W [CMPSU-750TX] PFC Ativo (1Fan14/ATXv2.2)
Cooler CoolerMaster Hyper 212 Plus
Leitora de cartões interna AKASA
Gravadora BLU-RAY LG WH12LS38 SATA - Preta OEM
Gabinete Cooler Master HAF 912 Certified
Windows 7 Professional 64 Bits

Valor de referência para o mês de novembro com peças e montagem inclusas: R$ 7013,00.

Lembrando sempre aos meus leitores que o desempenho do equipamento não depende apenas de hardware. É preciso caprichar na otimização do equipamento como um todo. Baixar sempre os últimos drivers do fabricante no site oficial e customizar o Windows 7 e a suite Adobe CS5.5 para obter o máximo desempenho.

Alguns leitores do blog tem reclamado comigo de pequenos travamentos de vídeo em AVCHD depois de terem montado suas máquinas com a configuração que recomendo. Tenho tentado solucionar os problemas enviando sugestões por email. Na maioria das vezes sem sucesso.

O que posso dizer é que sem ter montado e configurado o equipamento e sem saber ao certo os modelos, origem e qualidade dos hardwares utilizados fica difícil, sem ver a máquina de perto, entender o que está se passando.

Geralmente quando monto uma ilha por encomenda fico de 10 a 20 dias com ela rodando até conseguir o desempenho máximo e me dar por satisfeito. Somente nesse ponto entrego ao cliente. Nunca tive reclamação quanto ao desempenho ou problemas de garantia por falha de componentes.

Mas é um trabalho árduo e tedioso, as vezes mesmo frustrante trabalhar com computadores. Precisa ter paciência e muita observação para entender o que está se passando e descobrir as falhas. Excluindo componentes com defeito de fábrica, falsificados ou de qualidade duvidosa, o erro sempre é humano. é sempre um detalhe que deixamos escapar.

Grande abraço a todos.

Marcelo Ruiz

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Cameras de Video - Eventos Sociais -




Pronto! Aqui está o quinto e último vídeo da série Câmeras de Vídeo - O guia definitivo (pelo menos até lançarem novos modelos). Nesse última capitulo eu falo sobre 4 modelos de câmera  bastante interessantes para o mercado de eventos sociais. Espero que gostem e obrigado pela audiência. 




Parte 4 - Câmeras Broadcast news-eng (externas)

Parte 5 - Câmeras para eventos sociais

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Dream Machine Outubro 2011

Para quem precisa da configuração receita de bolo para uma máquina dos sonhos para editar em alta definição. Aqui vai minha sugestão de componentes com os preços médios praticados no mês de outubro. Lembrando sempre que não basta ter hardware... tem que configurar. Baixar todos os drivers atualizados nos sites dos fabricantes (esqueça o cd de instalação que vem na caixa). Configurar (quero dizer pelar) o Windows 7 de todas as cosas desnecessárias, principalmente Internet Explorer. Não instalar anti-virus. Se não tem navegador não precisa entrar na internet. E configurar a suíte Adobe CS 5.5 para o melhor desempenho com Mercury Play Back Engine ativado e rodando por hardware. Se fizer tudo direitinho tem máquina para editar qualquer coisa!

Outubro/2011

CPU Sandy Bridge

Valor

Motherboard

Asus P8Z68-V Pro

659,00

CPU

Intel i7 2600k Sandy Bridge

799,00

RAM

16GB (4 x 4GB) G.Skill RipjawsX DDR3 1600 (PC3 12800)

599,00

System Drive

Drive projetos

RAID 0 Videos

SSD Corsair Force Series 3 120 Gb

Seagate Barracuda 1,5 Tb Sata 3 7200 RPM

2 x 1 Tb Barracuda 1,0 Tb Sata 3 7200 RPM

619,00

285,00

570,00

GPU

MSI NVidia GTX570

1319,00

Case

CoolerMaster HAF 912

199,00

Power Supply

Corsair HX1000W [CMPSU-1000HX] PFC Ativo

868,00

OS

Win 7 Prof OEM

275,00

Optical Drive

Gravadora BLU-RAY LG BH10LS30

399,00

Cooler p/Intel

CoolerMaster Hyper 212 Plus

99,00

Total Geral

6.690,00