20/06/2012

Novo MacBook Pro: sonho ou pesadelo?



A Apple lançou essa semana o novo MacBook Pro com a tal tela Retina. Mas o preço é tão alto quanto a nova resolução. A tecnologia, antes disponível apenas no iPhone 4 e no novo iPad, entrega vistosos 2880 x 1800 pixels em uma tela de 15,4 polegadas, fazendo dela, segundo a Apple, a “maior resolução do mundo na tela de um notebook”, com 3 milhões de pixel a mais que uma televisão HD.

Mas depois dessa entrada triunfal, mesmo com especificações técnicas interessantes, o novo sonho de consumo do aficionados pela marca da Maçã, parece perder fôlego ao correr atrás do preço de lançamento no Brasil. Fomos conferir a novidade no site brasileiro e em uma simulação de compra, optando pela configuração top, nos deparamos com surreais R$ 16 mil reais de preço final. Foi o sonho virando pesadelo! Mas . apesar do preço, o novo Mac vale apena para editar vídeos?


Será que vale mesmo a pena desembolsar quase 70% do valor de um carro popular para ter essa máquina em cima da mesa de trabalho? Suspeitamos que não. Mesmo com um processador  Intel i7-3820QM de 2,7 GHz,  16 GB DDR3 1600 MHz de RAM e 768 GB de armazenamento em estado sólido, placa de vídeo dedicada NVIDIA GeForce GT 650M com 1GB de memória GDDR5, além do processador gráfico Intel HD 4000 incorporado na CPU e duas portas Thunderbolt, o valor pedido pela Apple ainda é salgado.

Para fazer caber todas essas especificações em um corpo de alumínio ainda mais fino que o modelo anterior – agora o Mac BookPro tem apenas 1,8 cm de espessura – com uma autonomia declarada de 7 horas de duração, todos os componentes foram incorporados a placa lógica principal. Simplesmente não existe possibilidade de upgrades futuros. Até mesmo os módulos de memória RAM estão soldados na placa-mãe.

Todos os componentes estão soldados na placa-lógica (Imagem: Site iFixit)

Se você quiser os 16 GB máximos, que o modelo de 15” oferece como opção, já tem que encomendar na compra. Não há possibilidade de acrescentar depois. Assim como o espaço de armazenamento, que é composto de um drive flash proprietário, que pode ou não ser atualizado futuramente. Pelo sim, pelo não, isso quase obriga o comprador a optar por pagar mais R$ 1750,00 para trocar os 512 GB que são oferecidos na configuração básica.

Unidade SSD Flash Samsung em padrão proprietário (Imagem: Site iFixit) 

Não bastasse isso, o novo modelo vem sem drive de DVD. Se antes havia a eterna discussão da falta de um drive de BluRay, que o falecido jurou jamais colocar em um produto seu, agora ela acabou de vez. Nem BluRay, nem DVD. E as excentricidades não param por aí. Não existe  porta Ethernet também. Somente WiFi. Se o feliz comprador do novo Mac quiser conexão por cabo a web, terá que gastar mais oitenta pratas para comprar um adaptador. E a Apple também foi econômica nas portas USB: são apenas 2 funcionando tanto no padrão antigo 2.0 como na nova especificação 3.0. Em compensação estão lá duas portas Thunderbolt de 10Gb/s de velocidade e uma novidade: uma porta HDMI que aparece pela primeira vez em um portátil da marca. Há ainda uma entrada para cartão SDXC que também é novidade recente, já disponível no MacAir.

O design e acabamento, como não podia deixar de ser em um produto da marca, é impecável por fora e por dentro, uma verdadeira obra de arte. Não restam dúvidas que os admiradores da marca, como eu, já estão babando e tendo calafrios para correr à loja mais próxima e levar para casa o mimo. E afinal de contas quem liga para atualização ou custo-benefício? Afinal trata-se de um Mac!

Mas colocando a paixão de lado, aqui nosso assunto é outro. De nosso ponto de vista trata-se de mais uma ferramenta de trabalho disponível para os profissionais da área multimídia. Digamos que poderíamos chamar até de estação de trabalho, embora fugindo ao conceito clássico. Então, deixando de lado um pouco o preço, já que workstations gráficas são necessariamente mais caras, temos que pensar na funcionalidade e na capacidade de lidar com os fluxos de trabalho atuais e futuros. E nesse caso devemos pensar em um futuro mais a longo prazo, já que como vimos, os upgrades não serão uma opção.

E esse pode ser o primeiro ponto a ser analisado. Geralmente espera-se que workstations, mesmo móveis, possam ter uma capacidade razoável de adaptação a novas tecnologias e vida útil mais longa graças a possibilidades de atualização de alguns componentes. E esse certamente não é o caso do novo MacBook Pro. Outra questão importante é uma certa autonomia de funcionamento. Algo que já venha pronto para executar um determinado tipo de tarefa,  que um computador normal não seria capaz de lidar sem diversas alterações de hardware e software.

Metade do espaço interno do gabinete é ocupado pelas baterias

Nesse aspecto, nos chamou atenção o enorme espaço ocupado pelas baterias dentro do gabinete, chegando a mais de 50% da área disponível.  Fica bem claro que a Apple quis privilegiar a autonomia, afinal ela afirma que serão 7 horas de trabalho sem necessidade de uso de energia externa. Mas será que uma estação de edição necessita estar tanto tempo assim fora de nossas mesas de trabalho? Certamente muitos de nós preferiríamos metade da autonomia em troca de espaço para mais 2 drivers de armazenamento, preferivelmente em RAID. Mesmo usando a tecnologia de estado sólido, as taxas de transferência de dados, principalmente a escrita, em uma única unidade de armazenamento, dedicada ao sistema operacional, programas e arquivos vai certamente criar um gargalo.

Nova conexão MagSafe, 2 portas Thunderbolt, USB 3.0 e fone de ouvido (Foto: Site iFixit)

Coisas como  a nova porta Thunderbolt, com possibilidade de transferência de dados a 10Gb/s dificilmente serão usadas em toda a sua capacidade. Nesse ponto já vemos a necessidade do uso de estações externas de armazenamento, não apenas por conta da velocidade, mas da enorme quantidade de dados gerados por conteúdo em alta definição.  Uma unidade externa com capacidade para 4 discos rígidos em RAID e com porta Thunderbolt não sai hoje por menos de R$ 6 mil. Fora a perda da mobilidade.  Em outro aspecto temos ainda a questão da visualização.

A tela Retina sem dúvida oferece uma excelente qualidade de imagem, desde que o programa sendo executado já tenha sido adaptado para a nova tecnologia. Nem a própria Apple adaptou todas as suas app’s ainda. Mas a verdade é que para edição de vídeo a presença do segundo monitor é quase obrigatória. Ao menos se tivesse sido lançada uma versão de 18 ou 19 polegadas, desse novo MacBook, com a tecnologia Retina, poderia se pensar em prescindir do segundo monitor.

 A resolução da tela Retina vai agradar aos editores de imagens e vídeo 

Sendo quase necessária a aquisição de um monitor externo, compatível com a qualidade de imagem da tela Retina, lá se vão mais R$ 3,5 mil de um Apple Thunderbolt Display de 27”.  E falando de imagem, ainda não temos testes disponíveis, com a nova suíte Adobe CS6, rodando no novo Mac, mas não tenho grandes expectativas com o desempenho do Mercury Playback Engine rodando na GT650 com apenas 384 núcleos Cuda. Uma GTX 480 talvez seja até mais rápida em um desktop bem afinado. E um notebook desse nível e nessa faixa de  preço poderia ter ganho uma GTX680M com 1344 núcleos.

NVidia GForce GT650: somente 384 núcleos Cuda para o Mercury PB Engine. 

Somando o monitor externo extra e a unidade de armazenamento em RAID, ao custo inicial da configuração máxima disponível para o novo MacBook Pro, chegaríamos casa dos R$ 25.000,00 para levar para casa esse kit. Pronto, agora chegamos ao valor de um automóvel zero. Para efeito de comparação, esse valor seria suficiente para comprar pelo menos 3 workstations DELL M4600 razoavelmente configuradas ou mesmo um MacPro de 12 núcleos com 32 GB de RAM e 6 TB de armazenamento total, ainda sobrando troco.

Estação de edição completa com HDD's Externos LaCie, Monitor 27"Thunderbolt e o novo MacBookPro

Apesar de tudo, para os apreciadores da Maçã e para quem gosta de exclusividade, trata-se de uma bela obra de tecnologia e design. E assim como você não iria comprar uma Ferrari para usar em uma estrada de terra esburacada, esse MacBook Pro é para comprar colocar na sua garagem e ficar admirando.

Grande abraço a todos!

Marcelo Ruiz

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por sua participação! Asim que eu puder, vou responder! Volte sempre!

Marcelo Ruiz