sábado, 2 de fevereiro de 2013

Exportação de vídeo HD para DVD: a prova dos nove...



No artigo sobre configuração do Adobe Encore para conseguir um resultado perfeito na exportação de conteúdo HD para DVD, fiquei devendo um vídeo de exemplo. Pois eles estão aqui. Acabamos de finalizar, aqui na produtora, a primeira parte de um trabalho técnico para a Faculdade de Engenharia da Universidade de Brasília. O cliente iria fazer um teste de equipamento de proteção em capotagens e necessitava filmar de ângulos diferentes e em câmera super lenta, para análise posterior e comprovação dos resultados junto ao patrocinador.

Usamos duas câmeras RedOne captando as duas laterais da pista de testes em formato HD rodando a 120 fps. Posteriormente o material foi editado, usando o Twixtor, para elevar a taxa de frames a 600 fps e com isso obter uma super câmera lenta. O principal desafio era obter um material onde cada frame tivesse a imagem mais nítida possível. Sem blur ou rastros, para facilitar as coisas na pós. Optamos por usar uma velocidade de diafragma de 1/1000s e abertura da lente em f/8.

O resultado ficou muito bom e o cliente gostou e aprovou. Aí vem a velha história. Apesar da entrega do vídeo completo (7 minutos) em BluRay, o cliente queria também em DVD, para exibição em eventos e seminários. Aí vem o velho problema da perda de qualidade e da pixelização do conteúdo em baixa definição. Assunto mais questionado pelos meus leitores.

Usando as mesmas definições do artigo sobre o Adobe Encore, e gravando o DVD a 9,8 Mb/s ao invés dos tradicionais 5 ou 6 Mb/s, conseguimos um bom resultado. O vídeo acima, no início do post está em HD e o vídeo abaixo em SD (720 x 480 @ 30 frames por segundo). Logicamente, assistido em tela cheia, em um monitor com resolução maior que 800 x 600 ou em uma TV de LCD, LED ou Plasma Full HD, a imagem ao ser ampliada pelo monitor, em seu circuito de ganho interno, vai apresentar resolução inferior, mas ainda assim com qualidade razoável e sem o serrilhado ou artefatos de imagem que geralmente acontecem. Assistam os dois vídeos e julguem os resultados.



Fica a também a dica: Jamais um vídeo 720 x 480 (SD) esticado em um monitor HD de 1920 x 1080 vai ter a mesma qualidade de outro em HD nativo. E isso precisa ser passado ao cliente, para ele não achar que você fez um trabalho ruim. Alguns televisores e o monitor do computador podem ser regulados para mostrar a imagem em SD. No caso das TV’s de LCD, existe a opção de 480P e no computador  basta você baixar a resolução de tela de 1920 x 1080 ou outra inferior que estiver usando para 800 x 600. Isso disfarça um pouco a perda de qualidade, mas ainda sim, com menos pixels ativos na tela, o espaço entre eles aumenta, prejudicando a qualidade.

Cada monitor lida com a imagem de um jeito. Então o negócio é fazer testes no aparelho do cliente ou onde o vídeo vá ser exibido, em caso de eventos, para ver se fica melhor exibir o conteúdo SD na resolução 1080P nativa do monitor ou baixar para 480P.

Grande abraço a todos!

Marcelo Ruiz

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por sua participação! Asim que eu puder, vou responder! Volte sempre!

Marcelo Ruiz

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.