03/05/2012

Sopa de letrinhas 2012: Novos processadores são vantajosos?



Depois de termos comentado aqui as novidades da NSB 2012 em termos de equipamentos de vídeo, chegou a hora de falar um pouco dos novos hardwares, lançados nesse primeiro quarto de ano, para melhorar nossas ilhas de edição. E a sopa de letrinhas está bem servida.

Depois de ter lançado minhas estações de trabalho para 2012/2013, muitos leitores estão me perguntando porque a PROCS5 2012 e a PROCS6 4K estão usando os i7 de segunda geração ao invés dos novos i7 de terceira geração. Optei por continuar usando o i7 de segunda geração na PROCS5 2012 por algumas razões técnicas pertinentes, que vou compartilhar com vocês, pois sei que tem muitos leitores interessados em montarem suas próprias máquinas. E todo mundo, nessa hora, fica tentado a comprar o mais moderno achando sempre que é melhor. Nem sempre, como veremos a seguir.


O que é a Terceira Geração de processadores Intel?

Basicamente o que define as gerações de processadores da Intel é a litografia de fabricação dos chips. Litografia é o processo de impressão dos transistores e outros componentes do processador na base de silício que compõe o corpo do processador. Obviamente quanto menor a litografia, mais elementos como transístores, chaveamentos e trilhas de interligação podem ser construídos em uma determinada área física do processador.

A primeira geração de processadores i7, como por exemplo o 975 de 4 núcleos, tinha uma litografia de 45nm (nano milímetros). Posteriormente a segunda geração, com o incrível i72600K entre outros , foi lançada com uma litografia de 32nm. Finalmente a terceira geração, apresentada agora, conta com uma litografia de 22nm.

Quanto menor a litografia, maior a densidade de componentes. Com a menor distância entre os componentes internos, os condutores podem ser mais finos e com isso a energia necessária é menor. Vejamos as comparações:
i7920XM = 45nm = TDP 130watt = Temperatura máxima 67,9o C
i72600K = 32nm = TDP 95watt  = Temperatura máxima 72,3o C
i73930K = 32nm = TDP 130watt = Temperatura máxima 66,8o C
i73770K = 22nm = TDP 77watt = Temperatura máxima

Em contrapartida, a maior densidade de componentes implica em maior concentração de calor e consequentemente maior aquecimento. Alguns sites especializados em testes de overcolocking tem feito algumas críticas quanto ao aquecimento maior dos processadores de 22nm. Comparando um processador i72600K rodando a 4,8 Ghz com um i73770K rodando na mesma frequência, o 3770K atingiu temperaturas consideravelmente maiores, necessitando de sistemas de refrigeração mais eficientes.

E como a vida útil do processador diminui na razão inversa da temperatura, aquele que conseguir trabalhar em temperaturas médias mais baixas, terá maior durabilidade e estabilidade. Muita água ainda vai rolar debaixo dessa ponte, já que a terceira geração foi lançada agora e poucos testes e situações práticas de longo tempo de uso puderam ser analisadas.

Melhoramentos da Terceira Geração

Basicamente apenas o suporte nativo a portas USB 3.0  e um desempenho melhor do processador gráfico integrado, agora usando o Intel HD 4000 Engine foram acrescentadas. Esse tipo de melhoria pode beneficiar usuários que usam o processador gráfico interno com ou sem uma placa offboard de vídeo. A nova versão da tecnologia Lucid Video melhora o desempenho em alguns jogos e outras tarefas de codificação de vídeo.

Para as nossas necessidades como editores de vídeo, usando Adobe Premiere com Mercury Playback Engine, que mesmo com o lançamento da versão CS6, ainda não é compatível com processadores onboard, essa melhoria não traz resultados práticos, já que é preciso desativar pela BIOS a tecnologia Lucid Virtua para ter o Mercury Playback rodado corretamente.

Haveria um certo ganho de velocidade de troca de dados entre a placa de vídeo e outros componentes instalados nos slots PCI-E 3.0, como placas de captura e placas auxiliares de RAID, com a introdução dessa terceira geração, pois 8 lanes (pistas) PCI-E 3.0 correspondem a 16 lanes 2.0. Mas aqui também a vantagem seria sentida apenas para sistemas rodando mais de uma placa de vídeo, tarefa ainda impossível para o Mercury Playback Engine, ou ainda sistemas com placas de captura de vídeo em alta definição e com sistemas de RAID necessitando o uso de placas PCI-E dedicadas com entradas SAS ou SATA.

Uma workstation que necessite da configuração citada, já não deve trabalhar com processadores de 4 núcleos e nem com o Chipset Z68. São estações de trabalho dedicadas a computação gráfica intensa em aplicativos como o Maya ou o 3DMax, ou ainda o próprio Premiere CS6, mas para editar vídeos em ultra alta definição, formato 4K para cinema digital. Nesse caso, mesmo assim a terceira geração de processadores Intel ainda não tem opções disponíveis, pelo menos com custo moderado. Atualmente o processador i73930K ou o mais caro 3960K, ambos de 6 núcleos, usando o novo soquete LGA2011 e placas-mãe com chipset X79 ainda são a melhor opção.

Mas o custo de montagem e configuração dessa estação é pelo menos 50% mais caro que uma workstation equipada com a solução I72600K e chipset Z68, que roda com folga todos os programas e conteúdos voltados para HD 1920 x 1080, inclusive After Efects para criação de vinhetas elaboradas nessa definição.

Conclusão:

Devido a excelente reputação, confiabilidade e custos do sistema 2600K/Z68, onde se pode conseguir velocidades de overclock mais agressivas, mantendo as temperaturas dentro dos padrões recomendados e com perfeita estabilidade de processamento, ainda recomendamos essa plataforma para a montagem de workstations voltadas ao desempenho e velocidade para esse ano e início de 2013.

Para que necessita ainda mais desempenho, o sistema 3930K/X79 pode oferecer alto rendimento e custos mais conservadores. E antes que alguém me pergunte, sim, continuam controversas as vantagens reais de workstations baseadas em 2 processadores Xeon. Pelo que continuo a ler nos sites de outros blogueiros especializados em edição não linear, o tema ainda encontra opiniões conflitantes. Não quanto ao desempenho, embora mínimo, mas quanto ao investimento necessário versus a melhoria de processamento e velocidade que serão obtidos.

Por enquanto é só meus amigos. Em breve prometo um artigo detalhando mais as características dos novos chipsets Z77 e X79.

Grande abraço a todos!

Marcelo Ruiz

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por sua participação! Asim que eu puder, vou responder! Volte sempre!

Marcelo Ruiz