terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Sua câmera pode estar lhe enganando...


Existe um equipamento que anda desaparecendo da bolsa dos novos fotógrafos: o bom e velho fotômetro. Com o surgimento das câmeras digitais – e mesmo antes, com as câmeras de filme fotográfico digitalizadas – a qualidade da medição in câmera melhorou bastante. Mas será que em todas as situações ou em casos  específicos a fotometria interna das câmeras dá conta do recado?

Eu ainda vou investigar mais a fundo esse assunto. Mas por enquanto posse adiantar o resultado obtido por acaso enquanto estava fazendo uma foto para um artigo aqui do blog. Na maioria das fotos que produzo com tempo adequado para o trabalho, eu gosto de usar um fotômetro. Muitas vezes nem me dou ao trabalho de conferir as medições com a fotometria interna da câmera.


Mas dessa vez ao bater uma foto acidentalmente com a câmera no modo totalmente automático, outro recurso que quase nunca uso, notei uma grande diferença de exposição em relação a mesma cena captada com as medições manuais e usando meu fotômetro externo. Na imagem abaixo está a cena em modo totalmente automático. A câmera é uma 5D MK II, com uma lente Zeiss 135 mm, abertura f 1:2, velocidade 1/30s, ISO 100, withe balance 3600ºK.


Na fotometria interna da câmera o exposímetro estava cravado no meio. Ou seja, não havia aviso de subexposição. Mas ao fazer a foto oficial usando a mesma abertura (para diminuir a profundidade de campo) e o mesmo ISO (baixo, para evitar granulação nos pretos), o meu velho Sekonic me indicou uma velocidade de 1/8s. Ou 400% mais lenta. E como podemos ver no resultado abaixo, sem retoques ou Photoshop, a exposição dessa vez ficou correta.



Depois da invenção das telas de LCD nas câmeras, muitos fotógrafos se acostumaram a não olhar mais para o viewfinder ótico, no caso das DSLR. Realmente, em situações de pouca luz, as vezes fica difícil de avaliar o foco e o recurso de zoom do LCD é um grande auxiliar. Acontece que para melhorar a visibilidade, principalmente à luz do dia, alguns acabam aumentando a luminosidade da tela de LCD. Nessa situação, principalmente em locais escuros, a imagem pode parecer ótima no visor, mas ao transferir para o computador, para os ajustes e correções, descobrimos que ficaram sub-expostas e nem sempre é possível corrigir no Photoshop.



Em câmeras DSLR com visor prismático em situações com luz excessiva ou pouca luz, será impossível avaliar a correta exposição pela imagem observada. Temos que confiar no fotômetro da câmera ou usar um fotômetro externo. Nas digitais sem visor prismático, como as câmeras Micro Four Thirds, quando está presente um visor ocular, ele é meramente uma micro tela de LCD e também induz aos mesmos erros em situações extremas de luz. Por isso, devemos conhecer a sensibilidade e a confiabilidade do sensor interno de nossos equipamentos e mesmo usando o modo totalmente automático, é prudente fazer uma correção usando o modo bracketing para mais ou menos alguns pontos de f-stop.

Grande abraço!

Marcelo Ruiz

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por sua participação! Asim que eu puder, vou responder! Volte sempre!

Marcelo Ruiz

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.